segunda-feira, 5 de julho de 2004

Fukuyama

Miguel Noronha comenta este artigo de Francis Fukuyama e argumenta que o mesmo não constitui uma defesa do estatismo.

Pela minha parte, estou de acordo com muito do que o Miguel afirma no seu comentário mas quer-me parecer que Fukuyama é essencialmente (e já desde há bastante tempo) um social-democrata.

Para além das suas posições intervencionistas em matéria de economia (através dos constantes apelos a mais "regulação"), Fukuyama parece defender uma concepção de engenharia social ("state building" e "state-deconstructing") que vai de encontro ao que Hayek tão bem criticou (veja-se, por exemplo, The Fatal Conceit). Se juntarmos a estes elementos o aparente desejo de se distanciar da era Thatcher-Reagan, parece-me difícil considerar as posições de Fukuyama liberais.

Sem comentários:

Enviar um comentário