quinta-feira, 31 de agosto de 2006

A Gender-Neutral Society?

Novo artigo no site da Causa Liberal:

"A Gender-Neutral Society?"
Por Patrícia Lança

quarta-feira, 30 de agosto de 2006

A propósito do "Katrina"

As palavras sábias em "OUR ENEMY THE STATE", Albert Jay Nock (o libertarian anti-New-Deal e Old Right dos anos 30, falando de cheias):

"When the Johnstown flood occurred, social power was immediately mobilized and applied with intelligence and vigour. Its abundance, measured by money alone, was so great that when everything was finally put in order, something like a million dollars remained. [é fácil supor que se tratou de uma cheia passada - isto é, antes da publicação - onde as suas consequências foram prontamente assistidas e resolvidas pela socideade civil].

If such a catastrophe happened now [Katrina?], not only is social power perhaps too depleted for the like exercise, but the general instinct would be to let the State see to it. Not only has social power atrophied to that extent, but the disposition to exercise it in that particular direction has atrophied with it.

If the State has made such matters its business, and has confiscated the social power necessary to deal with them, why, let it deal with them.

We can get some kind of rough measure of this general atrophy by our own disposition when approached by a beggar. Two years ago we might have been moved to give him something; today we are moved to refer him to the State's relief-agency [fala dos efeitos do New-Deal].

The State has said to society, You are either not exercising enough power to meet the emergency, or are exercising it in what I think is an incompetent way, so I shall confiscate your power, and exercise it to suit myself. Hence when a beggar asks us for a quarter, our instinct is to say that the State has already confiscated our quarter for his benefit, and he should go to the State about it."

terça-feira, 29 de agosto de 2006

"Os Idiotas Úteis de Lenine"

Como uma parte dos liberais/"libertarians"/"conservatives" "anti-war" (existem muitos sabiam? é que é mais consistentemente liberal e até conservador evocar a prudência, realismo e diplomacia, e sentido das "unintended consequences" do intervencionismo político-militar internacional em larga escala...) é com recorrência acusado de "idiota útil" pareceu-me relevante fazer a referência a uma resposta directa em Wars4StatsQuo.

segunda-feira, 28 de agosto de 2006

Argumentation Ethics

The brilliant and erudite Dutch libertarian legal theorist Frank Van Dun has a powerful, rich and provocative draft article: Comment on R.P.Murphy’s & Gene Callahan’s Critique of Hans-Hermann Hoppe’s Argumentation Ethics.

It's a response to recent criticism of Hans-Hermann Hoppe's argumentation ethics.

Van Dun is well-suited to join the fray, having himself written on this topic before, as he explains in his draft comment. For more on Van Dun, see:

Van Dun, Frank,
Economics and the Limits of Value-Free Science, Reason Papers 11 (Spring 1986): 24

Van Dun, Frank, On the Philosophy of Argument and the Logic of Common Morality, in Argumentation: Approaches to Theory Formation, E.M. Barth and J.L. Martens, eds. (Amsterdam: John Benjamins, 1982), p. 281 Hoppe's "argumentation ethics"

my
New Rationalist Directions in Libertarian Rights Theory, 12:2 Journal of Libertarian Studies: 313-26 (Fall 1996) (Dutch version Hebben we rechten? Nieuwe rationalistische richtingen in de Libertarische Rechten Theorie)

More materials on discourse ethics

Via LRCBlog

segunda-feira, 21 de agosto de 2006

sábado, 19 de agosto de 2006

Sobre o mensageiro e criador (um acto de génio) do "Islamo-Fascismo": Stephen Schwartz

O ex-trotskysta-new-born-muslim-neo-con-anti-fassista

Ou a National Review como palco de discussão das nuances ideológicas intra-comunistas, que resumidamente resultaram no cisma entre o realismo Estalinista de "Socialismo num país" versus o idealismo Trotskista da revolução internacional (eu diria, que felizmente, o fundador do Exército Vermelho perdeu, e foi assassinado pela outra linha).

Mas observar uma tal discussão na National Review é o que se pode dizer de, refrescante. Talvez Pacheco Pereira o queira documentar na sua história do comunismo.

TROTSKY, STRAUSS, AND THE NEOCONS War Party's leftist and elitist roots exposed (Justin Raimundo)

"
Arnold Beichman was next up at bat, with his own nominee: in any discussion of the neocons and their influence, he wants any reference to Leon Trotsky or the influence of Trotskyism to be strictly verboten. Writing in National Review Online, Beichman is outraged at Jeet Heer's National Post piece detailing the Trotskyist roots of leading neocons, whose cocktail party chatter evidently includes abstruse references to Max Shachtman and the factional history of the Fourth International.(...)

Apparently in response to ex-Trotskyist-turned-neocon
Stephen Schwartz for affectionately referring to the killer of Kronstadt as "the old man" and "L.D.," Beichman launches a magnificent attack on the crimes of Trotsky(...)

Schwartz responded the next day in National Review with what I think is the last word on this subject: his article is the definitive text that proves how right we paleos have been all along about this troublesome sect known as the neocons. Schwartz denounces "a group of neofascists" who supposedly claim that "neoconservatives are all ex-Trotskyists," but defends Heer's piece as serving another aim, that of describing "the very real evolution of certain ex-Trotskyists toward an interventionist position on the Iraq war" – i.e., his own evolution and that of his friends and associates in the neocon movement.(...)

The point of Schwartz's rebuttal, however, is that he is proud of his Trotksyist past. He even gathers his co-thinkers together in proclaiming, in true Trotskyist fashion, that they constitute a semi-official faction, which some editor at NRO deemed "Trotsky-cons":

"The second issue at hand involves the actual ex-Trotskyists who engaged with the issue of the Iraqi war. I call this group, to which I belong, the 'three-and-a-half international,' which is an obscure reference I won't explain fully. But I use it to indicate three main individuals: Christopher Hitchens, myself, and the Iraqi intellectual Kanan Makiya, who all did indeed march under the Red Flag at some point…."

Here is where Schwartz descends into sheer hilarity, given that the best humor is always unintentional. He not only defends dear old Trotsky against Beichman's calumniations, but also red-baits Beichman, reminding him – and NRO's by this time utterly baffled readers – of Beichman's Stalinist past. Beichman was a fellow traveler of the Communist Party in the 1930s, when he worked for the pro-war, pro-FDR left-wing newspaper PM. It's all too funny, but one can only wonder what ordinary, garden-variety, un-prefixed conservatives think of all this sound and fury.

Here, after all, are the ex-Commies of yesteryear re-enacting the Stalin-Trotsky split in the pages of National Review – even as the magazine continues with its ridiculous campaign denying the very existence of neocons as anything but plain old vanilla conservatives.


The magazine's online readers, such as they are, may be mystified by Schwartz's argument that Trotsky has a lot to say to the neocons of today, because his analysis of the Moscow Trials somehow impacts on the neocon analysis of Peter Arnett. (Say, what?) But I, for one, particularly enjoyed Schwartz's contention that the Beichman jeremiad represented an effort to "exclude Hitchens and myself from consideration as reliable allies in the struggle against Islamist extremism," or, as he proudly avers:

"Because we have yet to apologize for something I, for one, will never consider worthy of apology. There is clearly a group of heresy-hunters among the original neoconservatives who resent having to give way to certain newer faces, with our own history and culture. These older neoconservatives cannot take yes for an answer, and they especially loathe Hitchens. But nobody ever asked Norman Podhoretz [um dos principais ideólogos neocons ] to apologize for having once written poetry praising the Soviet army. Nobody ever asked the art critic Meyer Schapiro, who was also a Trotskyist, to flog himself for assisting illegal foreign revolutionaries at a time when it was considered unpatriotic, to say the least. Nobody ever asked Shachtman or Burnham, or, for that matter, Sidney Hook, or Edmund Wilson, or a hundred others, to grovel and beg mercy for inciting war on capitalism in the depths of the Great Depression."

Holding that Red Banner high, Schwartz declares war on the ex-Stalinists in the neocon movement – of which there are plenty, as he correctly points out – and proclaims his "Third and a Half International." It is almost too farcical to be taken seriously, but then the "conservatism" upheld by National Review since the purge of John Sullivan has never been serious, and this just underscores the sheer absurdity of its claim to be some kind of final arbiter.

Schwartz raises a perfectly legitimate point: if the ex-Trotskyists have to apologize for importing their particular brand of militarism into the neocon movement, then why don't the ex-Stalinists have to "grovel," too? I say let them both apologize for supporting some variant of mass-murdering commie totalitarianism, or stop pretending to be "conservatives."

The ideas that energize the neoconservative movement have little if anything to do with traditional conservatism. That this suspicion is now widespread among traditional conservatives, as well as journalists, is not to be undone by lame accusations of alleged "anti-Semitism."

Paring down the permitted language of political debate is not going to work, either. It is clear beyond the need for further proof that the War Party bamboozled the American public into taking that first fateful step on the road to empire. We know who they are, and what they believe: it is not a "conspiracy," as the detractors of this theory insist, because there is nothing secret about it – and because the same people are urging us onward, to Iran, Syria, and beyond.

The esoteric elitist Strauss, the Leninist elitist Trotsky, Schwartz and his mock-operatic "Third and a Half International" re-fighting the inter-Commie faction wars of the 1930s with a gaggle of ex-Stalinists – this is the official "conservative" movement of today!

No wonder Commissar Frum and his fellow neocons felt compelled to attack us antiwar, limited government types as "unpatriotic conservatives," [acusação feita por um Canadiano!] going so far as to declare that they "turn their backs" on us.

They turned their backs on authentic conservatism some time ago."

sexta-feira, 18 de agosto de 2006

Causa Liberal

Causa Liberal

What really is islamofascism ?

Ver o semanário The Spectator de hoje. Um artigo de um convertido que reivindica a invenção da expressão.

Ver também o seu site www.islamicpluralism.org

Leitura desaconselhada aos que sofrem de dissonância cognitiva.

Cair na real

no Wars4StatusQuo

Comentário a um post anterior: "O que é o islamo-fascismo"

The End of Libertarianism (sort of)

Via MisesBlog:" The Financial Times announces the end of libertarianism as a political force. Evidence: the failure of soc-sec privatization, and individual health-care accounts. Problem: neither of these were really libertarian ideas. "

PS. A mim parece-me mais que o "libertarianism pure and simple" vai começar, nem contas "privadas" de segurança social nem contas saúde. Apenas a dimininuição drástica dos impostos e o fim do conceito universal (saúde e segurança social) adoptando-se apenas o princípio de subsidariedade.

quinta-feira, 17 de agosto de 2006

Causa Liberal

Causa Liberal

A União Europeia

O site do Bruges Group, um think tank anti-EU, reproduz um excelente discurso de Frederick Forsyth sobre o que devia ser a política britânica face à UE. Embora dirigido ao povo do Reino Unido, a ánalise de FF é bastante relevante também para os portugueses. Encontra-se em
www.brugesgroup.com/mediacentre/speeches.live?article=13265

Causa Liberal

Causa Liberal

Mais sobre Islamofascismo

Há um excelente artigo de Roger Scruton, "Islamofascism" no Wall Street Journal de hoje:
http://online.wsj.com/wsj?

A Teoria do Monopólio, por Rothbard, como avanço Miseseano

... (e "dentro" da Escola Austriaca).

Lembrando um sequência de trocas de comentários com AAA, aqui neste blog, deparei com este nota em:

LUDWIG VON MISES' HUMAN ACTION AS A TEXTBOOK OF ECONOMICS, Jesús Huerta de Soto*

Murray N. Rothbard,78 have given a great thrust forward to the theory of monopoly, concentrating their analysis, more than on the number of enterprises "existing" in each "sector" and on the form or "elasticity" of their supposed demand curves, on the study of the dynamic process of competition and, therefore, on whether the free practice of entrepreneurship is prevented by force in any part of the market. Rothbard, moreover, hit the weak point of the neoclassical theory of monopoly, stating that its whole analysis is based on the static comparison between the “monopoly price” and the "price of perfect competition" which, as it is a price of equilibrium which never exists in the real market, cannot be known or, therefore, serve as a reference point to decide, in practice, whether or not there is a "situation of monopoly". It is important to highlight the fact that Mises, during his own lifetime, had the opportunity to see these studies on the theory of monopoly, which in some way culminated his own studies, flourish; and, fortunately, we have a direct testimony which indicates that he was in complete agreement with these new theoretical developments.79

79 Effectively, Margit von Mises, in her biography of her husband, tells us that "in Stresa, during the 1965 Mont Pèlerin meeting, Joaquín Reig once spoke to Ludwig von Mises about monopoly and Rothbard's Man, Economy and State, which had been published in 1962. Reig directed Ludwig's attention to the fact that Rothbard, one of Ludwig's most able and admiring pupils, did not completely agree with Ludwig's analysis of monopoly.

Ludwig replied: 'I would subscribe to every word Rothbard has written in his study'.

About this Reig told me: 'That was such a generous statement of Ludwig von Mises to say that one of his own students had exposed one of his own ideas better than he himself had been able to do it, that my admiration for this man jumped sky-high'. Margit von Mises, My Years with Ludwig von Mises, op. cit., p. 158.

Neo-Con: As notícias sobre a sua "morte" são muito exageradas

Até porque, nota-se, que apesar da vontade de proclamação de distanciamento da "marca", talvez porque começa a ser demasiado desconfortável, as crenças como que permanecem.

Depois, nunca vemos a vontade de viver e dar vida ao liberalismo/libertarianism por si mesmo, que no essencial deve apenas preocupar-se com o aumento em todos os domínios da realidade civil sobre a política (soberania individual e da propriedade, privatização, descentralização).

Observa-se sim, sempre uma qualquer tentativa de fusionismo à Direita. Sempre uma estratégia perdedora. Até porque a Direita neste momento simplesmente já não sabe de si mesma.


Parece ser o momento ideal para afirmar o Liberalismo superando e ultrapassando a dicotomia esquerda-direita.

PS: Como (humildemente) terei sido dos primeiros a dar conta da sua existência (este blogue já ultrapassou os 3 anos de existência) e do mal que se preparavam para fazer, fizeram e continuam a fazer, acho o assunto deveras interessante.

A principal característica dos Neo-Cons é alimentarem-se das consequências dos seus próprios erros e "intended" e "unintended consequences". Típico de qualquer tipo de estatismo. É um modo de vida parasitário qeu infelizmente só costuma acabar com a exaustão total da vítima.


Maniqueístas até ao tutano, conseguiram operar um fenómeno: destruir completamente a consciência da Direita, que caiu de amor pela mudança e intervencionismo social em larga escala, crítica moralizante de todo o tipo de conservadorismo cultural dos outros para depois ser usado como justificação moral da sua visão iluminista-militar - muito à Napoleão, e a transformação da noção de defesa nacional em instrumento para fins políticos-ideológicos-internacionalistas. Isso e eleger a democracia política a um fim em si mesmo.

quarta-feira, 16 de agosto de 2006

O "idiota útil" George Wasghinton

Publicado no Wars4StatusQuo.

A linguagem do anti-islâmico-fascista

Para complementar o anterior.

A linguagem dos "idiotas totalmente inúteis" (quem não sabe definir e identificar os inimigos não serve para contribuir para a defesa de nada, não é?).... como se vê...nada extremista (Via: The Peace of Death by Dmitry Chernikov), nada militarista, muito serena, racional e ... libertadora.

* one poster has written as a response to a townhall.com article (which, to save you time, is itself of no interest):

"Without a doubt we do have to fight them. Key phrase in your post "better to crush them now" exactly! Question is… why and the hell doesn't the United States military do just that? If we are in the fight of our life put the boots on the ground and kick some ass, or better yet, give warning to all civilians to get of dodge because there is soon to be a very large explosion followed by a even larger cloud."

* "The only way to rebuild Iraq into a stable democracy is to tear it down totally and build it back up; that's how we did it in WW2 and it worked out just fine!"

* "We are in a struggle that is life or death for all involved. We will either have the will to defeat our enemy or we will emolden them by giving up and going home. We had all better realize that just as Sec. Rumsfeld said, they will not give up, and any retreat now only increases the likelihood that we will be fighting them closer to ou shores, if not within our borders....but we will have to fight them! Better to crush them now, than have to contend with them forever!"

Fascismo

Mussolini deve estar agoniado. Salazar também não deve sentir-se muito bem.

Quem fez nascer o fascismo afinal não é fascista. A Itália não era fascista. Portugal não era fascista. O fascismo, na verdade não existe.

Ou antes existe: parece que óbviamente, só é adequado falar de fascismo, quando se fala de nazismo e dos extremistas islâmicos (não sei se sabem, existiram muitos extremistas sionistas, que perpretaram massacres e ataques terroristas contra árabes e britânicos naquilo que precedeu à proclamação do Estado Judaico por um influxo de imigrantes nas décadas anteriores, um deles até tinha em grande consideração Mussolini...).

Na verdade, estas idiotas sem utilidade alguma (apenas uma resposta ao "usefull idiots" aplicada a quem tenta, notóriamente sem êxito, contrapôr algum bom senso aos instintos irracionais de quem se submete ao Medo) elegeram Bush como especialista em ciência política.


É conhecida a sua sabedoria e subtileza intelectual (digo-o afirmando desde já que a sua simplicidade ignorante não me incomoda absolutamente nada, pelo contrário, sempre afirmei que o seu problema foi dar ouvidos a uma clique admiradora do fundador do Exército Vermelho e perpretor dos piores massacres a cristãos ortodoxos na antiga Rússia, e o seu génio militarista-iluminista-internacionalista).

Maior ironia do destino não existe, porque, na verdade, o que podemos realmente afirmar é que é ...


...o NAZISMO QUE NÂO ERA FASCISTA. O Fascismo teve um ethos católico conservador com alguma moderação (apesar das suas características autoritárias) - Mussolini tinha o Rei e o Papa (sabe-se hoje que Mussolini tinha pedido secretamente a excomunhão de Hitler, além disso Mussolini opunha-se totalmente à anexação da Aùstria tendo até movimentado tropas nesse sentido) como contrapoder, e Salazar na sua moderação autoritária tinha a sua própria consciência.

O fascismo foi uma alternativa à mudança civilizacional operada pelo desastre da Grande Guerra, a queda da civilizada ordem monárquica subsequente à destruição moral e patrimonial (agradeça-se a Churchill e Woodrow Wilson).

O Nazismo representou quanto muito, um excesso extremista fascista mas logo deturpado com renúncia ao cristianismo (católico ou outro) e adopção de um messianismo até aí desconhecido (o extremismo criminoso sai de outro extremismo criminoso, os 8 meses que durou o bloqueio alimentar - imposto pleos "aliados" ... da Sérvia terrorista - desde que o Kaiser aceitou depôr as armas e recuar para a sua fronteira até, já deposto, o regime agora republicano ter sido obrigado a assinar Versailles - tudo menos um "tratado", resultou em centenas de milhares de civis alemães mortos por fome, e o que se pode chamar... um excelente começo para o nazismo) .

A outra coisa segura a afirmar é:

A ideologia neo-medievalista da AlQaeda NÂO É FASCISTA. E é um insulto à memória dos mortos ou vivos dos bons fascistas (como José Hermano Saraiva?). O regime do Irão não é Fascista. As monarquias árabes (que tão bem funcionam) podem ser absolutistas mas isso não nada que ver com FASCISMO.

Mas o génio destes analistas políticos está comprovado: Fascismo são os anti-semitas e quem tem problemas com Judeus.

terça-feira, 15 de agosto de 2006

Afinal parece que é mesmo

Director General of Al-Arabiya TV in Defense of President Bush's Description of London Bombers: 'They Are Fascists'
The Westerners know that fascism is an extremist nationalist movement, which emerged from the European society, and was responsible for destructive wars caused by its premises, which are based on discrimination, racism and hatred. This approximation is correct when you apply it to the literature of the Islamic extremists. The same as the Europeans fought fascism and the fascists by word and by gunpowder, the world will fight the extremist Islamists. This is what the good Muslims, who are at the forefront of those hunting down Al-Qaeda, do; the same as the Muslim who exposed the latest conspiracy to hijack the airliners, when he hastened to inform the security authorities when he suspected what was happening in the neighborhood.
"This is why I do not understand what those people - who want to protect reputation and image from the Westerners - want to call the Muslim extremists who resort to violence. Do they want to call them Khawarij (the earliest Islamic sect, which traces its beginning to a religious-political controversy over the Caliphate)? The problem is that no one (in the West) understands its historical meaning. Do they call them by their names only, such as Osama, Ayman, Muhammad, and Zamani? Do they call them according to the sarcastic Egyptian way: 'people who should remain nameless?'"

What is Left? What is Right? Does it Matter?

Publicado na "The American Conservative". Claro que para mim a resposta é: Não. O que interessa é saber da predisposição para o centralismo estatista ou descentralização (da soberania individual e das comunidades).

"Since its inception, The American Conservative has been dealing with questions of what Right and Left mean in the modern context and to what extent the terms even apply anymore. Commentary memorably took up similar issues in a 1976 symposium, and, 30 years later, in a time of renewed ideological flux, we think a reconsideration is in order.

In the interest of hosting a lively discussion, we chose contributors from across the political spectrum and asked for their thoughts on the following questions:

1. Are the designations “liberal” and “conservative” still useful? Why or why not?
2. Does a binary Left/Right political spectrum describe the full range of ideological options? Is it still applicable?

Not all of these authors share TAC’s editorial orientation, but we believe there is wisdom in the council of many, and each was chosen as representative of a particular perspective. We leave our readers to decide which insights most accord with their own."

All Authors
Andrew J. Bacevich
Jeremy Beer
Austin Bramwell
Patrick J. Buchanan
John Derbyshire
Ross Douthat
Rod Dreher
Mary Eberstadt
Nick Gillespie
Paul Gottfried
Jeffrey Hart
Nicholas von Hoffman
James Kurth
Michael Lind
John Lukacs
Heather Mac Donald
Scott McConnell
Kevin Phillips
James P. Pinkerton
Justin Raimondo
Llewellyn H. Rockwell Jr.
Claes G. Ryn
Kirkpatrick Sale
Phyllis Schlafly
Fred Siegel
Taki Theodoracopulos
Philip Weiss
Chilton Williamson Jr.
Clyde N. Wilson
John Zmirak

"WAR GUILT IN THE MIDDLE EAST"

Publiquei uma versão do texto actualmente só disponível em pdf "WAR GUILT IN THE MIDDLE EAST", em Wars4StatusQuo. Deixo aqui apenas a minha introdução.

"Introdução: Um texto de 1967, na publicação que por excelência deu (ou marca a) origem do movimento libertarian . Rothbard, começou a sua senda politica nos Young Republicans e no conservadorismo tradicional americano para passar a um dos responsáveis principais por um novo movimento ideológico, nascido das cinzas do liberalismo clássico, e juntando o que tinha sido o isolacionismo conservador tradicional americano, que se opôs à entrada na WWI, ao New Deal e o envolvimento dos EUA na Europa da WWII (Roosevelt prometeu sob a bíblia, no seu famoso terceiro mandato - será que Putin vai ser crucificado se fizer o mesmo que Roosevelt fêz ? - não envolver os EUA noutra "guerra dos europeus"), com as raizes neutrais dos founding fathers, e ainda as suas próprias contribuições anti-state. Rothbard é filho de imigrantes Judeus Polacos.

O texto é de Outono de 1967, na altura, a critica não-á-esquerda do intervencionismo no Vietname (desde as suas origens, não a meio) fazia dele uma voz isolada por isso mesmo com tentativas de alianças estratégicas com quem, sobre um determinado assunto, na altura o intervencionismo da "guerra fria", obtivesse algum contacto (de resto, mais tarde acabada por causa dos problemas crónicos de consistência e honestidade à esquerda). Sobre o Médio Oriente também. O que ele repetia muitas vezes era (citando o filme que admirava - O Padrinho) , "Esta foi a vida que escolhemos". Não foi uma vida fácil, para quem, em todos os assuntos (quer os da pura discussão na ciência económica - acolhendo/adoptando/desenvolvendo a Escola Austriaca e o Miseseanismo, quer os da ardilosa discussão da actualidade política, a do revisionismo anti-intervencionismo da história das guerras, etc) tinha um especial jeito para escolher os motivos mais fáceis para se colocar fora do maistream que por um motivo ou outro acaba sempre por fazer a corte à corte estatista. Daí a alcunha de Rothbard, the Anti-Sate.

Murray N. Rothbard "Editorial: War Guilt in the Middle East (505KB), LEFT AND RIGHT: A Journal of Libertarian Thought. Volume 3, Number 3; Spring-Autumn 1967"

Causa Liberal

Causa Liberal
O que é fascismo?
The word fascism has been the most inflated and misused political term in any Western language. To the 20th century's first generation of communists, it referred to anyone who advocated a forceful response to causes dear to communists or fellow travellers. In its most ridiculous misuse, during the 1930s, German communists, under orders from Moscow, referred to their social democratic rivals as social fascists.
The second generation of communists and the West's New Left of the '60s also inflated and misused the term to describe their resilient domestic opponents on the Left or Right, as well as any developing world dictatorship aligned with the US.
Yet for those with a respect for history and intellectual clarity, the term has a more precise meaning. It refers to a revolutionary political mass movement or regime that aims to achieve national greatness by radically transforming political and social life with totalitarian rule and by a policy of imperial expansion. Fascist ideology is reactionary in that it aspires to re-create a mythical past.
The originator of the term fascism was Benito Mussolini. Yet the dictatorship he created in Italy was in practice more farce than a revolutionary ideological reality. The only genuinely revolutionary and brutal manifestation of fascism that combined totalitarian rule with global expansion was the German National Socialist regime. It was also permeated by a virulent racism that was profound and genocidal. Nazism was imitated by radical right-wing movements in wartime Croatia (the Ustashi), Hungary (the Arrow Cross) and Romania (the Iron Guard).
Fascism and its nominal antithesis, communism, were, until the late '70s, the only two visible manifestations of totalitarianism. Communism differed from fascism in that it looked towards a social utopia that it claimed had never yet existed. It also proclaimed an affinity for Western enlightenment values, especially social equality and scientific rationality, although in practice it created new systems of social inequality.
De Stephen J, Morris “It is Islamic Fascism” no The Australian August 15, 2006

Causa Liberal

Causa Liberal
O que é o islamo-fascismo
Since the Iranian revolution of 1979, the world has been confronted by a new form of totalitarianism. It is a multidimensional phenomenon that originated not only before Bush but even before the state of Israel was created. The Muslim Brotherhood was founded in British colonial Egypt in 1928 by Hassan al-Banna. Its most famous theoretician, Sayyid Qutb, was executed in Egypt in 1966, one year before Israel's success in the Six-Day War made it a hate object of the Western Left.
Radical Islam is different from communism, and from what we had come to know as fascism in Europe, by its ostensibly religious character. But the Islamic revolution in Iran was like European fascism in its totalitarian domestic ambition and its violently aggressive foreign policy. It was also vehemently racist, persecuting Iranian Jews and people of the Baha'i Faith in particular. From its inception the Islamic Republic of Iran has been committed to the destruction of Israel.
The Iranian regime, which represented the Shia strand of Islam, claimed to be the centre of global Islamic revolution, fostering mentoring relationships with Shia parties and religious leaders throughout the Arab world, most notably with Hezbollah (The Party of God) in Lebanon, which Iranian agents created in 1982. Hezbollah's incumbent leader, Hassan Nasrallah, has declared Jews invented the legend of the Nazi atrocities and that Israel is a cancerous body in the region that must be uprooted. Hezbollah has carried out numerous bombings and political assassinations abroad on Iran's behalf. The most spectacular were a suicide bomber's massacre of 241 US marine peacekeepers in Lebanon in 1983, and the bombing of the Israeli embassy and Jewish cultural centre in Buenos Aires in 1994, slaughtering more than 100 Argentinian Jews.
Hezbollah also has kidnapped scores of Western journalists in Lebanon during the '80s, torturing and murdering many of them, and has assassinated Iranian opposition politicians in France and elsewhere. As we have seen recently, Hezbollah initiated conflict with Israel, then launched rockets on Israeli civilians.
Hezbollah is believed to have clandestine sleeper cells from among the Shi'ite immigrant communities throughout the Western world, including Australia. The Iranians are more ecumenical than their Sunni terrorist rivals. Iran's clients include not only Hezbollah but also, within the Sunni world, the Palestinian terrorist organisations Islamic Jihad and Hamas.
Of course, Iran is not the only locus of Islamic fascism. In 1994, a rival Islamic totalitarian regime from the Sunni branch of Islam, the Taliban, seized power in neighbouring Afghanistan.
It became the base and training area for the Sunni terrorist organisation al-Qa'ida after that organisation was expelled from Sudan.
Al-Qa'ida had been founded by Abdullah Azzam in 1988. Its explicit ambition was the destruction of existing Arab regimes and the creation of a religious caliphate in an arc stretching across the Muslim world, from Indonesia, Malaysia and The Philippines through to the Arab world and including the region of Spain known as Andalusia. Its modus operandi rests on the terror of the deed. For those who imagine that al-Qa'ida's wrath is directed only against those nations that have intervened in Iraq, one should note that it was founded 15 years before the Iraq war, at the height of Western support for the Afghan mujaheddin.
Moreover, it has attacked a French tanker in the Persian Gulf and has launched attacks in Muslim countries, notably Saudi Arabia, Tunisia, Morocco and Jordan.
De Stephen Morris

Causa Liberal

Causa Liberal
Os propósitos declarados do islamo-fascismo
As we know from the events of last week, al-Qa'ida's present tactic is to recruit citizens of Western countries to carry out horrendous terrorist acts in the West. In the case of Britain, the problem is that a minority of the Muslim community sympathises with the terrorists. A British Daily Telegraph poll in February on the July 7, 2005, bombings of innocents on the London Tube and bus showed that 6 per cent of British Muslims insisted the bombings were fully justified. As the poll noted: "Six per cent may be a small proportion but in absolute numbers it amounts to about 100,000 individuals who, if not prepared to carry out terrorist acts, are ready to support those who do."
By now it should be patently clear that we in the West are at war with a hydra-headed and barbaric enemy that has not a shred of humanity and relishes the bloodletting of tens of thousands of innocents, including other Muslims. It is at least as brutal as the Nazis and communist enemies we have faced in the past. Although radical Islam is not militarily as powerful as Nazi Germany or the Soviet Union, it has the huge strategic advantage of suicide bombing, which is immune to deterrence.
Should any of its constituent elements -- the Iranian Government or al-Qa'ida -- acquire nuclear weapons, it will likely attempt genocide against Israel and create devastation in the West of an unprecedented kind.
Stephen Morris, an Australian citizen, is a fellow at Johns Hopkins University's Paul H. Nitze School of Advanced International Studies in Washington, DC.

segunda-feira, 14 de agosto de 2006

Auburnomics

Um artigo sobre o Mises Institute no Opinion Journal, com vários elogios justos.

Curiosamente, desta feita, nem os posts no Mises Economics Blog nem no Lew Rockwell Blog se referem ao WSJ como "War Street Journal" ou como orgão de propaganda neocon...

Causa Liberal

Causa Liberal
Antisemitismo e islamófobia: confusões semânticas e lógicas

Há quem tenta procurar equivalência moral entre antisemitismo e islamófobia. No entanto só quem não entende o significado dos dois conceitos pode ousar julgá-los pelos mesmos critérios.

Antisemitismo: É o nome que se dá ao preconceito racial contra pessoas de origém semita. Os Nazis, por exemplo, não estavam interessados na religião dos judeus além de esta ser um sinal conveniente para identificar algumas pessoas dessa raça. Os nazis eram confessadamente pagãos e uma das cantigas mais populares da juventude hitleriana referia a Jesus como “o porco judeu”. Os judeus não-crentes ou convertidos ao cristianismo eram tão perseguidos como os judeus religiosos. A base da perseguição residia nas teorias racistas dos nazis. Estes acreditavam em toda uma hierarquia de raças com os arianos no topo e os latinos, os eslavos, os negros e os ciganos (por essa ordem) na base da piramide. Uma piramide bem flexivel, aliás, onde as conveniências políticas permitiam estranhas mudanças de classificação.

Os filólogos classificam um grupo de línguas do médio oriente como semiticas (hebraico, aramaico, árabe, etc.). Tanto os árabes como os judeus são, por causa das suas línguas considerados povos sémitas. Todavia, o que se chama de “anti-semitismo” é hoje usado para significar aversão aos judeus, não aos árabes, e é portanto uma atitude racista.

Islamófobia: Os dicionários de português definem a palavra “fobia” como medo sem razão de alguma coisa. Em inglês “phobia” é definido como aversão ou medo irracional de qualquer coisa. “Islamofobia” não se aplica à raça. Ser-se anti-Árabe ou anti-iraniano, isso sim, seria uma atitude racista. Outra coisa é ser-se contra o Islão que não é uma raça, mas sim uma religião cujos fieis podem-se encontrar em todas as raças. Uma pessoa pode perfeitamente ser contra o islão no seu todo sem ser racista. Tal como podemos ser contra o calvinismo, contra o budismo, contra o catolicismo etc Ser-se a favor da tolerância religiosa e o estado laico não implica aprovação e nada obriga um liberal a ter opiniões favoráveis sobre alguma ou todas as religiões.

Agora, como o fundamentalismo islámico insiste na aceitação acrítica e obrigatória de uma série de crenças e práticas repugnantes e contrárias à morale humanista quem as repudia não pode ser acusado de sentir ou expressar uma fobia. Como já foi dito uma fobia é por definição irracional. Se alguem considerar que sentir repugnância, aversão ou medo dos fundamentalistas islámicos seja uma atitude irracional, então essa pessoa, forçosamente acha uma de duas coisas:

1. Que é falso que os fundamentalistas têm práticas fascistas e tudo em nome da religião: que cortam cabeças, mãos e outros membros como castigo; que sujeitam a estas punições homosexuais, mulheres adúlteras ou violadas e também apóstatas; que mandam bombistas suicidas para assassinar civis; que mantêm as mulheres num estado de extrema inferioridade.

2. A segunda hipótese é que quem lança a acusação de islamófobia conhece e aprova estas práticas dos fundamentalistas. Portanto podemos concluir que essa pessoa é um simpatizante do islamo-fascismo.

3. Há, porém, uma terceira hipótese. Quem acusa outro de islamófobia pode rejeitar os dois primeiros pontos e refugiar-se no relativismo cultural. Ele pode dizer que reconhece que os fundamentalistas islámicos têm práticas repugnantes para nós europeus, mas que isso é lá com eles: é a sua cultura. Nós não temos nada com o assunto. Preocupar-se com o assunto é adoptar uma atitude islamofóbica., É assim que muita gente foje aos juizo morais e às responsabilidades. Chama-se a isto niilismo. E quando se torna evidente que, além da responsabilidade moral, a questão tem muito a ver connosco porque somos também alvos, então a recusa a tomar posição tem outro nome: chama-se simplesmente cobardia.

sábado, 12 de agosto de 2006

Causa Liberal

Causa Liberal
O velho e o novo antisemitismo

O artigo Novo Antisemitismo? de Nuno Guerreiro, (na Rua da Judiaria e referido no Blog do nsurgente do dia 10) constitui uma boa contribuição para um debate sério sobre diversas facetas do antisemitismo. Creio, todavia, que existe outro factor, este de origém económica, que liga todos os antisemitismos sejam eles medievais ou modernos. Esse factor é o ódio ao capitalismo. A velha calúnia da Idade Média respeitante à culpa hereditária do povo judeu na morte de Jesus servia nesses tempos de pretexto para justificar o ódio popular. Esse ódio dirigido ao comerciante intruso (típico das sociedades agrárias e tribais) nascia da inveja e do ressentimento numa época em que o capitalismo ainda era criança. O economista Thomas Sowell na sua trilogia sobre a relação entre cultura e conquista, cultura e raça, e cultura e imigração, descreve este fenómeno que tem surgido em várias partes do mundo e em várias épocas.

Os chamados “overseas Chinese”, frequentemente descritos como os “judeus do Oriente”, eram, no último quartel do século vinte uns escassos trinta milhões de pessoas em comparação com o quase bilião de “mainland Chinese”. No entanto esses trinta milhões produziam um valor por ano muitíssimo superior ao PNB do total da China continental. Libertos dos constrangimentos existentes no seu país de origém, os emigrantes chineses souberam aproveitar do ambiente favorável ao comércio, dos tribunais justos e da ordem que encontraram nas colónias britànicas e holandesas. Também, como muitas comunidades de imigrantes, esses “overseas chinese” beneficiavam dos seus contactos familiares internacionais. Dedicaram-se aos negócios e tornaram-se ricos e, inevitavelmente, invejados. Pagaram com milhões de vidas ceifadas nos pogroms do sud-este assiático, muitas vezes provocados pelas classes dominantes indígenas assustadas com o avanço do capitalismo e a industrialização do mundo moderno.

O mesmo fenómeno surgiu em Africa quando os novos governos pós-independência correram com os asiáticos, odiados pelos africanos por serem intrusos, comerciantes e (em termos relativos) ricos. Como explica Sowell, o papel do “middleman”, especialmente se for estrangeiro, é um papel muitas vezes ingrato.

Karl Marx, ele próprio um judeu assimilado e que hoje seria classificado na gíria actual como um “self-hating Jew”, escreveu que os judeus nadavam no capitalismo como peixe na água. Nisto Marx tinha alguma razão. Quando um grupo é proibido de possuir terra e/ou de exercer determinadas profissões é natural que ele procura ganhar a vida através do comercio, da usura e de actividades intelectuais. Embora a existência destas comunidades empreendedoras normalmente traz benéficios económicos ao país anfitrião, nenhum destes profissionais é amado, nem pelo campesinato, nem pela nobreza. Também o insistente apego dos judeus ao Antigo Testamento numa época de caça ao herege garantiu a inimizade da Igreja medieval. (Nem a reforma ajudou: Lutero também odiava os judeus.) Quando a Inquisição conseguiu a eliminação dos judeus da peninsula, o efeito ecónomico foi a destruição da burguesia nascente nos países ibéricos. Quem aproveitou foi a Holanda e a Inglaterra. Cromwell permitiu a entrada dos judeus na Inglaterra e impos o Tratado de Methuen, desfavorável a Portugal e à sua nascente indústria. Os dois elementos conjugados garantiram para Portugal um destino de atrazo económico.

Quando o iluminismo do século XVIII trouxe a emancipação dos judeus e o fim das discriminações legais em grande parte da Europa, os judeus sairam em massa dos ghettos da Europa de leste, entraram nas universidades e nesses ambientes a sua tradição milenária de povo letrado garantiu o seu éxito académico. Mais um motivo para a inveja das corporações e para o enriquecimento dos países anfitriões.

Fatalmente alguns destes judeus emancipados ingressaram nas fileiras dos estudantes revolucionários. Apesar de muitos dos mais brilhantes bolcheviques serem de origém judaica, a esquerda socialista nunca morreu de amores pelos judeus nas suas fileiras. Uma grande parte dos perseguidos por Estaline nos anos trinta eram judeus. Na Alemanha arruinada pela Primeira Guerra Mundial e a destruição da sua classe média pela crise inflacionista, estava aí o bode expiatório ideal: os judeus. Hitler, o nacional socialista, aproveitou da situação acusando os judeus de serem revolucionários comunistas e ao mesmo tempo agentes do capitalismo mundial. Depois da Segunda Guerra Mundial Estaline retomou a luta contra os que ele agora chamava de “homeless cosmopolitans” e apareceu outro “novo antisemitismo”. Nas condições da Guerra Fria os judeus em terra soviética constituiam um perigo: tantos tinham parentes no occidente. E seguindo a sua tradição de cultivar as artes e as letras, muitos distinguiram-se em número desproporcional, nos campos artísticos e ciéntificos. Na Checoslovákia e na Hungria os servidores de Estaline também perseguiram os “seus” judeus nos ignominiosos processos dos anos cinquenta.

No entanto depois da Segunda Guerra e o conhecimento do que tinham sido os crimes do holocausto, a consciência geral no occidente era de que o antisemitismo só sobrevivia em pequenos circúlos de fanáticos ignorantes. O Estado de Israel tinha destruido para sempre dois mitos poderosos: primeiro que o povo judaico era um povo cobarde, incapaz de lutar pelos seus direitos e sem talento para a guerra; e, segundo, que o povo judaico não tinha qualquer vocação para a lavoura e só sabia de negócios. Pela primeira vez na história apareceu o fenómeno de respeito pelo povo judeu. E, na América, onde o antisemitismo antes era bastante comum, especialmente entre os palaeo-conservadores e os WASPS (White Anglo-Saxon Protestants) as grandes universidades finalmente abandonaram a sua política de limitar a entrada de estudantes judeus.

Nos nossos dias muita gente decente interroga-se sobre o nojento espectáculo que começou a aparecer nas últimas duas décadas. Socialistas, militantes de movimentos pretensamente humanistas como os da anti-globalização e ambientalismo, juntam-se em acções comuns com o pior da direita neo-nazi e os islamo-fascistas. Unidos em manifestações de rua, erguem bandeiras perfeitamente nazis e gritam slogans hitlerianos. Em abaixo-assinados contra a política dos EUA reiteram os velhos e gastos chavões contra Israel. Contudo, para quem tenha alguma noção da história económica e da sociológia e que conhece as posições antropológicas de Hayek a explicação não será assim tão misteriosa. Todos os componentes da nova aliança partilham um ódio visceral à economia de mercado e à própria ideia de uma sociedade livre. No occidente que em larga medida tem adoptado uma política (suicida a longo prazo) de intervencionismo estatal o principal inimgo a abater é o grande baluarte da liberdade capitalista, a América. No Médio Oriente existe o pequeno baluarte de Israel, minúsculo nas suas dimensões geográficas mas, comparado com os vizinhos, grandioso em sucessos económicos e sociais. Numa área semelhante à do Alentejo os judeus de Israel fizeram do deserto um jardim e, contra tremendos obstáculos, construiram uma sociedade livre baseada numa ética humanista e as regras do estado de direito. Cedo verificaram que o idealismo do kibutz não funcionava como esperavam e adoptaram grosso modo o capitalismo.

Os seus inimigos apontam o capitalismo americano como exemplo de imperialismo e opressão, exagerando e mentindo a respeito dos seus erros e evidentes defeitos. Israel é demasiado pequeno para uma acusação convincente de imperialismo. E o caso da Palestina, não fosse a cegueira da esquerda, não servia como papão eficaz. Os éxitos de Israel constituem uma acusação permanente à incompetência dos governantes dos países vizinhos. Atribuem o sucesso de Israel à ajuda americana e das comunidades judaicas estrangeiras. Os países vizinhos, porém, beneficiam dos imensos lucros do seu petróleo, lucros que não sabem aproveitar. A abertura da religião dos judeus ao mundo moderno constitui um flagrante contraste com o obscurantismo característico de um islão fixado na Idade Média. Então, com astúcia bem medieval os islamistas mais reaccionários, embriagados com inveja que é a mãe do ódio, casaram a sua aversão coránica contra o judeu com o tribalismo moderno dos hitlerianos para inscrever o antisemitismo e o genocídio na sua bandeira. Assim os mais numerosos e atrazados dos semitas, os árabes, combatem o mundo moderno e o capitalismo simbolizados por outro povo semita, este imensamente mais bem sucedido apesar dos seus múltiplos e seculares sofrimentos. Quanto ao Irão é só recordar o papel da antiga Pérsia nessa região do mundo ou a rivalidade da seita shiita em matéria de messianismo para perceber como o anti-capitalismo dos Aiatolas encontrou terreno fértil nas atávicas tradições locais.

Assim a esquerda internacional encontrou uma plataforma comum com um comparsa inesperado. Com o desaparecimento da URSS e o fracasso do socialismo, os anti-capitalistas do mundo uniram-se numa aliança que só superficialmente parece contra-natura. É a aliança contra os EUA e a Israel. Auto-denominados pacifistas, na sua maioria laicos militantes os apoiantes insistentes dos direitos humanos, juntam-se aos representantes obscurantistas da seita mais cruel e mais belicosa das religiões abrámicas: o integrismo islámico.

Os antisemitas de tipo hitleriano já há muito que foram desmascarados. Se o colapso do comunismo ainda não tenha desacreditado por completo os marxistas e os seus rebentos, a adopção do “novo antisemitismo” significa a vacuidade e a bancarota moral da esquerda. Esta só tem força na medida em que actua como cavalo de Troia dos islamo-fascistas.

A interrogação que fica é se essa esquerda é ou não representativa da Europa. Se for, não será só Israel a ser sacrificado mas também todos nòs e a sharia vigorará no velho continente. É por isso que o dever moral de todo o verdadeiro liberal é de apoiar Israel e de desmascarar os seus inimigos.

sexta-feira, 11 de agosto de 2006

Valores Morais e o Capital

"Capital is not a free gift of God or of nature. It is the outcome of a provident restriction of consumption on the part of man. It is created and increased by saving and maintained by the abstention from dissaving.

Neither have capital or capital goods in themselves the power to raise the productivity of natural resources and of human labor. Only if the fruits of saving are wisely employed or invested, do they increase the output per unit of the input of natural resources and of labor. If this is not the case, they are dissipated or wasted.

The accumulation of new capital, the maintenance of previously accumulated capital and the utilization of capital for raising the productivity of human effort are the fruits of purposive human action. They are the outcome of the conduct of thrifty people who save and abstain from dissaving, viz., the capitalists who earn interest; and of people who succeed in utilizing the capital available for the best possible satisfaction of the needs of the consumers, viz., the entrepreneurs who earn profit." The Noneconomic Objections to Capitalism
by Ludwig von Mises

PS: No entanto , quanto a "Capital is not a free gift of God or of nature" é preciso não deprezar o factor cultura-religioso que faz com que as pessoas moralmente escolham livremente abster-se de consumir, permitindo a acumulação de capital.

A baixa preferência temporal, que faz com que um poupador nato se abstenha de consumir é o que faz também "baixar" as taxas de juro (e não, a noção totalmente ridícula e mística não-científica, que tal é decidido por um banco central), aumentando as oportunidades para o empreendedor tentar novas formas de aumento de produção/produtividade.

Mas essa baixa preferência temporal depende largamente da visão intemporal da existência. Da continuidade da existência para além da sua própria existência. Por isso a família é o núcleo da civilização. E por isso a cultura homosexual é pouco dada a grandes abstenções de consumo.

PS: Quem queira perceber o meu antagonismo crónico (e de outros libertarians) às guerras dos Estados, só tem de pensar que quem vê o capital acumulado como uma graça que nos é concedida, resultado da interacção humana passada acumulada, e nisso vê (o que outros pretendem ver na Natureza em "estado puro") um quase milagre a ser preservado, só tem de pensar que as Guerras são os maiores destruidores de património e capital conhecido.

Mesmo a defesa da "liberdade", muitas vezes um conceito apenas abstracto, tem de ser ponderado perante os seus custos imediatos, ou seja, a defesa imediatista que implica o apelo a todos os meios estatistas de usar recursos para a destruição, deve ser medida contra o combate mais a longo prazo e menos destrutivas de capital possiveis contra esses atentados à liberdade (por exemplo, a da desobediência civil a uma ocupação - evita-se a destruição do "nosso" património na sua defesa, e a longo prazo, nenhuma ocupação militar é bem sucedida porque é económicamente ineficiente).

Como digo, o pacifismo tem a sua racionalidade, embora não o advogue em absoluto. Sou um pacifista do ponto vista estatista, mas a defesa objectiva e não abstracta da nossa propriedade e vida é que deve ser ponderada e activada, em interesse local, não na defesa do Estado.

Os Liberais e o medo

Se existe coisa que alimenta o Estado e este faz por fomentar é a sensação de insegurança. Seja o perigo da globalização, do aquecimento global, das ipedemias, o da segurança interna e externa, e em última análise, o de perigo de guerras.

Perigos globais é o que gosta mesmo. A promessa de defesa contra mega-terrorismo ou mega-ipedemias. Tudo serve para a vassalagem ao novo Deus na terra.

Fica por saber o que de pouco objectivamente material sobra de cada um desses perigos, não tem origem nas próprias acções do Estado.

Muitos liberais parecem gostar de contradizer tudo o que a esquerda diz, mas quando chega ao tema que ao longo da história sempre serviu de cavalo de tróia para o poder autoritário e fomentação de objectivos imperialistas, tornam-se os mais entusiastas histéricos do medo (já para não falar os para quem a ideia de Império constitui uma atracção irresistível).

Foi James Madison que disse que se alguma dia a América perdesse as suas liberdades seria através do apelo à segurança contra o perigo interno ou externo. Perderão eles e nós.

A esquerda trata dos perigos económicos. A direita dos perigos securitários. O dever dos liberais deveria ser combater uns e outros. Será que realmente percebem como Hitler subiu por meios contitucionais ao poder e com o consenso da população?

O terrorismo é um caso de segurança civil. Os aeroportos, avião civil e passageiros, indústria seguradora, serão os primeiros a cuidar da sua segurança.

quinta-feira, 10 de agosto de 2006

A discriminação estatista

O estatismo tem destas coisas.

Discrimina contra o direito de propriedade de todos ao impor ("regulamentar") a proibição do tabaco aos proprietários e consumidores desses locais (restaurantes, empresas, etc).

Depois proibe a discriminação das empresas contra os fumadores.

Porque raio teria eu de aceitar um fumador como trabalhador se porventura fizesse questão disso?

Já agora, porque não proibir a discriminação contra fumadores, para convites para jantar em nossa própria casa? Será que os "legisladores" têm uma política "pessoal" igualitária de porta aberta, entra quem quer na sua casa?

Tirania democrática.

sexta-feira, 4 de agosto de 2006

The Home of the Free: Switzerland

A ler na totalidade.

"The Home of the Free: Switzerland - LIBERTY IS NOT the natural condition of man: tyranny is. Free institutions grew up in the West as a result of hundreds of particular historical events, under the influence of classical philosophy, Judaeo-Christian theology, and Teutonic rebelliousness against authority. That is why it not easy—sometimes it is not possible—to build free societies from the ground up, however much we’d like to replace the bloody-handed regimes we see around the world with liberal democracies. This is especially true when we’re talking about countries riven by ethnic and religious differences. But when liberty grows organically, from the existing institutions of small communities, it can endure even in a potentially fragmented society—for instance, in Switzerland. In fact, I would propose Switzerland as the test case for societies seeking democratic liberty amidst diversity. From Afghanistan to South Africa, nations emerging from tyrannical regimes could find no better model. (...)"

quinta-feira, 3 de agosto de 2006

Leftism Explained


Via LRCBlog.

Fri, Aug 4 1981

Economic Recovery Tax Act, first major program of Reagan administration- package of tax and budget cuts.

quarta-feira, 2 de agosto de 2006

O Direito sou Eu

Negocios.pt: "Juíza decide que lista de calotes é pressão ilegítima"

Segundo o «Correio da Manhã», esta consideração consta na sentença que condenou, no dia 29 de Junho, a proprietária de uma loja de produtos naturais ao pagamento de mil euros, por ter incluído numa dessas listas, afixada na porta do seu estabelecimento o nome de uma pessoa cuja dívida não estava provada."Gostava de saber se a juíza também vai condenar o Estado", afirmou ao CM Eufrázia Guerreiro, a proprietária da loja, indignada com a decisão. Referia-se ao facto de o Estado ter divulgado segunda-feira a lista negra das Finanças, com o nomes dos contribuintes devedores ao Fisco.

PS: Vamos então lá saber se a afixação de dívidas não civis (todas as nossas relações com o Estado são não-civis, são proclamações coercivas unilaterais e não contratuais) tem direitos superiores às dividas eminentemente civis (voluntárias e contratuais).

O Estado proclama (por mais checks and balances internos e não exógenos que inventem) que "O Direito sou Eu".

Wars 4 Status Quo

Acabei de criar o blog "Wars 4 Status Quo" inaugurando com a publicação completa do texto "War, Peace, and the State", de Murray N. Rothbard (de 1963), um pouco como texto orientador da política editorial, ou seja, eminentemente pró-"rothbardian-austro-libertarian-anarcho-capitalist-natural-order" na análise do uso da violência, razões e consequências intencionais ou não, em massa pela estrutura social que existe fora da legalidade dos direitos naturais do Homem a que chamamos Estado - e que assume coercivamente o monopólio do uso da violência num dado território delimitado por um dado status quo - a razão primária da Desordem Internacional.

terça-feira, 1 de agosto de 2006

The Errors Compounded: Democratic Liberalism

"Once classical liberalism had erroneously assumed the institution of government to be necessary for the maintenance of law and order, the following question arose: Which form of government is best suited for the task at hand? While the classical liberal answer to this question was by no means unanimous, it was still loud and clear. The traditional form of princely or royal government was apparently incompatible with the cherished idea of universal human rights for it was government based on privilege. Accordingly, it was ruled out. How, then, could the idea of the universality of human rights be squared with government? The liberal answer was by opening participation and entry into government on equal terms to everyone via democracy. Anyone — not just a hereditary class of nobles — was permitted to become a government official and exercise every government function.

However, this democratic equality before the law is something entirely different from and incompatible with the idea of one universal law, equally applicable to everyone, everywhere, and at all times. In fact, the former objectionable schism and inequality of the higher law of kings versus the subordinate law of ordinary subjects is fully preserved under democracy in the separation of public versus private law and the supremacy of the former over the latter. Under democracy, everyone is equal insofar as entry into government is open to all on equal terms. In a democracy no personal privileges or privileged persons exist. However, functional privileges and privileged functions exist. As long as they act in an official capacity, public officials are governed and protected by public law and thereby occupy a privileged position vis-à-vis persons acting under the mere authority of private law, most fundamentally in being permitted to support their own activities by taxes imposed on private law subjects. Privilege and legal discrimination will not disappear. To the contrary. Rather than being restricted to princes and nobles, privilege, protectionism, and legal discrimination will be available to all and can be exercised by everyone.

Predictably, then, under democratic conditions the tendency of every monopoly to increase prices and decrease quality is more pronounced. As hereditary monopolist, a king or prince regarded the territory and people under his jurisdiction as his personal property and engaged in the monopolistic exploitation of his "property." Under democracy, monopoly, and monopolistic exploitation do not disappear. Even if everyone is permitted to enter government, this does not eliminate the distinction between the rulers and the ruled. Government and the governed are not one and the same person. Instead of a prince who regards the country as his private property, a temporary and interchangeable caretaker is put in monopolistic charge of the country. The caretaker does not own the country, but as long as he is in office he is permitted to use it to his and his proteges' advantage. He owns its current use — usufruct — but not its capital stock. This does not eliminate exploitation. To the contrary, it makes exploitation less calculating, carried out with little or no regard to the capital stock. Exploitation is shortsighted and capital consumption systematically promoted." The Idea of a Private Law Society by Hans-Hermann Hoppe